Arquivo

Textos com Etiquetas ‘barrigada’

Quando o jornalismo deve pedir desculpas?

O jornalismo, como qualquer outra atividade, às vezes erra – muitas vezes, para falar a verdade. No jargão, conhecemos essas falhas como “barrigas” e, acredite, elas acontecem muito mais do que você imagina. Na maioria dos casos são pequenas e não provocam grandes danos ou repercussão. Um nome trocado ou uma inversão na ordem dos dados. Algumas vezes, porém, o impacto é grande. Informações que afetam resultados de bolsas de valores ou que colocam a população em estado de alerta desnecessariamente. A chance disso acontecer é maior na cobertura de grandes tragédias, como os atentados na maratona de Boston. Nessa hora, a redação fica tomada por uma adrenalina tão grande que é difícil separar o certo do errado. É ai que se escolhe uma foto de mau gosto. Ou pior do que isso, é ai que se dá uma barrigada incrível.

Foi o que aconteceu com o New York Post, que deu uma capa acusando dois inocentes de terem cometido o atentado. O erro foi apenas o auge de uma sequência de falhas de apuração que começou com a informação de que 12 pessoas haviam sido mortas nas explosões, quando na realidade foram 3 vítimas fatais. Mediante tantas falhas, qual foi a resposta dos editores do jornal? Nenhuma.

O silêncio fez tanto barulho que um site independente resolveu fazer o que a equipe jornal deveria ter feito. O resultado pode ser visto no vídeo abaixo:

Para ler a carta que eles colocaram no meio dos jornais, clique aqui.

A pergunta que fica é: quando um veículo de comunicação deve pedir desculpas pelos erros cometidos? Não falo apenas dos nomes digitados errados ou das óbvias falhas de pensamento. Esses são males menores e, em alguns casos, até engraçados. Prova disso é essa seleção feita pela Folha dos “melhores” erros de sua história.

O que eu falo é dos erros de apuração, que induzem o leitor ao erro e, em alguns casos, ao pânico. A publicação da foto de um inocente como se fosse o culpado pelos atentados é um erro grave, que mexe com a vida e a cabeça de milhões de pessoas. É uma pena que o jornalismo só tenha por hábito pedir desculpas nos momentos mais fáceis – ou então quando é acionado por uma fonte raivosa. É grave também o fato de as correções ficarem sempre restritas a um pequeno cantinho despercebido no  pé de alguma página pouco lida. Raros são os casos em que a errata ocupa o mesmo espaço da notícia. Bem que podíamos seguir o exemplo do Diário de Teófilo Otoni mais vezes.

Grávida que sobreviveu a acidente está viva

Um raro caso de jornal que assume uma falha de apuração

Podemos confiar no jornalismo online?

Alec Duarte é uma das pessoas que mais entende de jornalismo online no Brasil. Acompanho seu blog, o Webmanário desde que me entendo como um ser jornalístico e me interesso pelos futuros dessa profissão. Na última semana, Alec deu um grande furo, sobre a saída das Organizações Globo do Facebook, para tentar barrar a perda de audiência que vem sofrendo para a rede social. O assunto virou polêmica e teve toda a repercussão que merecia.

Como efeito colateral, porém, muita gente começou a questionar a notícia, algo que muito dificilmente veríamos se a informação tivesse sido publicada em um jornal e não em um blog. Alec teve até que escrever nova postagem defendendo que jornalismo é jornalismo em qualquer lugar – desde que seja feito com esmero.

Concordo plenamente com ele. Mas acho que não é a toa que existe toda essa desconfiança em torno do online. Muitos blogs já deram barrigadas fenomenais, por ai. Até mesmo gente grande e respeitável. Essa desconfiança por parte do leitor, portanto, chega até a ser saudável. Muito mais saudável do que quando aceitávamos tudo o que o papel nos entregava sem qualquer discussão. Temos sim que questionar nossos jornalistas e a qualidade da informação entregue por eles. Isso é muito diferente de pedir para que fontes sejam reveladas (o que chegaram a fazer com Alec). Com o tempo, vamos vendo em quais blogueiros podemos confiar e quais são meros repassadores de boatos – no caso do Webmanário, os anos que acompanho o blog já me fizeram confiar na história. Assim, vamos construir blogs melhores, feitos por jornalistas melhores e com leitores melhores. Todo mundo vai sair ganhando.